Arquivo do autor:Guilherme Zocchio

Sobre Guilherme Zocchio

Jornalista.

Belchior, como um pai

Tinha em Belchior um amigo, um companheiro, nos dias tristes… Não importa quando ou como, ele estava lá, nas suas músicas, com um verso de alento, um conselho nas letras, um refrão de acolhida. Recordava-me a dor das repetições, quando … Continuar lendo

Publicado em Crônicas | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Como vai seu coração?

what matters most is / how well you / walk through the / fire. — Charles Bukowski no decurso dos meus piores dias nos bancos das praças nos cárceres ou vivendo com putas eu sempre tive este certo contentamento — … Continuar lendo

Publicado em Ensaios, Versos | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Bella Ciao e a luta contra a reforma da Previdência

No final do século 19, camponeses italianos costumavam cantar uma música que falava das duras condições de trabalho no campo: “Bella Ciao”, de autoria desconhecida. Mais tarde, durante a Segunda Guerra Mundial, a canção foi adaptada e se tornou um … Continuar lendo

Publicado em Crônicas | Marcado com , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Logan: uma distopia de alerta

Se há algo que eu recomendaria assistir hoje nos cinemas, este seria Logan (James Mangold, 2017). Mais do que um filme de herói, sobre Wolverine, o mutante batizado com o nome que dá título à obra, o longa resgata um … Continuar lendo

Publicado em Resenhas | Marcado com , , , , , , , , | Deixe um comentário

mercurial inferno

entre os maiores mistérios que sonha nossa vã filosofia, alguém há de explicar do que se trata o mercurial inferno astrológico de um geminiano. próximo ao dia do nome deste autor, palavras se embaralham na tela do computador, ao mesmo … Continuar lendo

Publicado em Ensaios | Marcado com , , , , , , , , | Deixe um comentário

Das peças que o desejo prega, ou da arte de inventar escritores

Vem cá, disse-me n’outro dia um amigo meu. Ele precisava de conselhos, saber como lidar com as contingências da vida. Queria certificar-se de que não estava enganado, a hora, pois, era dessas em que não se sabe muito o que está … Continuar lendo

Publicado em Crônicas | Marcado com , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

(sem título)

. Esta história acabou. E, constatado isso, começo por um ponto final. Inicio por onde um texto deveria terminar, escrevo um prelúdio que, a princípio, pode soar como paradoxo. Não o é, contudo. As mesmas palavras, o mesmo aforismo, com … Continuar lendo

Publicado em Crônicas, Ensaios | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário